Sejam Bem Vindos

Olá,
Fiquem a vontade para navegar no meu blog, temos aqui a finalidade é discutir questões relacionadas a Educação, Tecnologia, Religião, Política, Sociedade, Historia, Prática Pedagógica, Pedagogia Empresarial etc. Bem como manter o público atualizado sobre os eventos (cursos,seminários,congressos, amostras culturais etc) que acontecem na área de Educação e/ou tecnologia.

quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Educação, a base para uma sociedade melhor.


Sabemos que o objetivo da escola é preparar para a vida. A escola deve instruir e educar, partindo da idéia, que instruir é preparar para ganhar a vida e educar é preparar para vida. Diante destes conceitos e trazendo-os para uma leitura atual, devemos ainda lembrar que que existem ainda existirão pessoas que estarão sempre a margem da sociedade e que hoje os tratamos como analfabetos, mas amanhã estas pessoas serão aquelas que não tiveram oportunidade de aprender.
O papel da escola no processo é despertar vocações, criar ambições, formar vencedores, pela visão ampliada que proporciona. Afinal, ninguém pode desejar o que não enxerga ou percebe, “o que os olhos não vem o coração não deseja” Dito popular.
Tomemos então por pressuposto que é necessário e obrigatório em caso de duvida, perguntar. A dúvida é a chave do conhecimento, sábio são os chineses que chegam a afirmar que, “quem sabe perguntar vira especialista”. Manuelzão, personagem de Guimarães Rosa, costumava afirmar não ser estudado, mas tinha muitas dúvidas. Os cautelosos sugerem perguntar antes de arriscar. Outros afirmam ser melhor perguntar duas vezes que errar uma.
Ruben Alves, emérito educador adverte para um problema típico da relação professor-aluno ao afirmar ser impossível o aluno gostar de uma matéria e detestar o professor. Os professores precisam ser pessoas mais realizadas na sociedade, felizes, agradáveis, compreensivas, reconhecidas, em paz com a vida.
Faz parte da relação o compromisso de gerar no estudante o desejo de aprender, minimizando o fator coercitivo para a mesma estudar. Há também em contraponto, a afirmação o professor abre a porta, mas quem tem que entrar é o estudante. Ensinar é uma arte e que o estudante aprende viajando para dentro de si mesmo e para buscar as suas afinidades.
Uma outra observação importante é de que numa classe, em cada conjunto de alunos, existem diferenças em nível de capacidade, daí não ser possível massificar. Não se pode exigir das pessoas aquilo que elas não têm capacidade de assimilar. Existem limites individuais acima dos quais não adianta forçar.
A educação é fundamental. Discutir crescimento, desenvolvimento, inclusão social, violência de qualquer ordem, costumes, sem eleger como base a educação é desejar o impossível. Levem em conta também que tudo começa em casa. Para Cícero, uma casa sem livros é um corpo sem alma. Fica este alerta para nos, enquanto sociedade. Este é o grande compromisso, para os primeiros, obrigação, para os outros, cidadania. Que se busque evitar a melancolia da criança que seria gênio, mas acabou adulto analfabeto, muitas flores que nascem para morrerem despercebidas, sem chegar a alegrar os olhos de ninguém.
Se nos preocuparmos em educar as nossas crianças, não será necessário castigar os homens. Escolas substituem prisões.

sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

O LUTERO NEGRO


Historia da igreja




Hernani Francisco da Silva

A primeira tentativa de estabelecer uma igreja protestante no Brasil foi em 1555, que pretendia dar refúgio aos calvinistas franceses, perseguidos pela Inquisição européia. A segunda tentativa foi em 1630, quando os holandeses tomaram Recife, Olinda e parte do Nordeste, registrando a presença do protestantismo. Após a expulsão dos holandeses, em 1654, o Brasil fechou as portas aos protestantes por mais de 150 anos. Com a chegada da família real, em 1808, e um “jeitinho português” abriu-se uma brecha no monopólio católico, permitindo a presença de outra religião que não fosse a católica. Os protestantes estrangeiros, no entanto, não podiam pregar nem construir igreja com torre, mais podiam reunir-se e cultuar a fé, comercializar a Bíblia e até distribuí-la.Foi através dessa brecha que um negro letrado, alfaiate, chamado Agostinho José Pereira, conheceu a Bíblia e descobriu outra forma de cristianismo. Agostinho teve contato com protestantes estrangeiros que passaram pelo Recife. Por revelação divina, em sonho, tornou-se protestante. Em 1841, Agostinho José Pereira começou a pregar pelas ruas do Recife. Nasceu, assim, a primeira igreja protestante brasileira, a Igreja do Divino Mestre, com seus mais de 300 seguidores, negros e negras, todos livres e libertos. Agostinho ensinou-os a ler e a escrever, numa época em que os proprietários de terras eram analfabetos. No Brasil de 1841, fora das colônias colonizadas por estrangeiras não havia protestantismo algum. O negro Agostinho foi o primeiro pregador brasileiro.Só depois, em 1858, o reverendo Roberto Kalley fundou a Igreja Fluminense, episódio considerado pela história oficial como data de fundação da primeira igreja protestante do Brasil. Depois vieram outras Igrejas como a presbiteriana (1859), a batista (1871), a luterana (1886), a anglicana (1889).A Igreja do Divino Mestre era mística e teologicamente negra. A Igreja fundada por Agostinho falava de libertação bíblica, esperança de uma vida livre da escravidão, o povo negro como a primeira criação humana de Deus, e de um Cristo não-branco.As idéias de Agostinho eram avançadas e perigosas para a época em que a Igreja Católica era a religião oficial do Estado, e não admitia nenhuma outra crença a não ser a igreja de Roma. Ao ler a Bíblia e pregar uma outra forma de cristianismo, Agostinho criticava o catolicismo com suas estátuas e santos intermediários. Ele tornou-se alvo de perseguição da Igreja Católica.Mas não foi só a igreja que se sentiu ameaçada com as pregações de Agostinho. As autoridades e a Imprensa de Recife se alvoroçaram com as idéias do pastor negro que falava da libertação dos escravos, citava a revolução do Haiti e a insurreição escrava nos moldes dos negros mulçumanos na Bahia, acontecimentos que deixavam os escravistas brasileiros em arrepios. Ele era mais que subversivo, era negro em plena escravidão, era protestante num Estado católico, e pregava a libertação dos negros numa sociedade que sufocava qualquer movimento que ousasse tal feito. O negro Agostinho era um perigo para o Brasil da época.A historia de Agostinho deixa muita perguntas sem resposta. Pouco se sabe da vida dele, de onde veio, para onde foi. O que se sabe é que ele era um negro letrado e que fundou a primeira igreja protestante brasileira, e que essa igreja era negra. Sabe-se também que na sua trajetória política conheceu Sabino, o líder da revolta baiana conhecida como a sabinada. Ele participou da Confederação do Equador.Um fato marcante na vida de Agostinho foi a sua prisão em 1846. Graças a esse episódio ficou registrado um pouco da sua vida, documentada na imprensa de Recife e em inquérito policial, que hoje são fontes de pesquisas resgatando o legado desse grande homem.A imprensa discutia até onde ele era um rebelde, um fanático religioso. Ele foi acusado de vigarista e enganador da boa fé de negros e pobres. Agostinho tinha 47 anos de idade quando foi preso. O chefe de policia da província suspeitava que a “seita” liderada por Agostinho tinha o objetivo de preparar uma insurreição de escravos. A policia cercou a casa onde a Igreja do Divino Mestre se reunia, prenderam Agostinho e seus fiéis.Com a prisão de Agostinho a igreja que fundara expandiu-se pela cidade e a perseguição policial estende-se aos seus membros. No bairro de Boa Vista, a policia entrou na casa de um de seus lideres, interrogou-o e confiscou a Bíblia. A policia invadiu a casa de Agostinho e apreendeu textos intitulados como o ABC, textos esses que criaram um grande alvoroço por conter citações da revolução dos escravos do Haiti.As perseguições prosseguiram aos membros da Igreja do Divino Mestre, que registrou 16 pessoas detidas. O seu advogado de defesa foi Borges da Fonseca, um liberal de Pernambuco.Não se sabe o que aconteceu com o pastor negro Agostinho José Pereira depois da sua prisão. Um jornal da época noticiara que Agostinho fora solto por habeas corpus impetrado pelo advogado Borges da Fonseca e que quando passava nas ruas acompanhado pelos seus discípulos a multidão gritava e assoviava.Ao passar por Pernambuco em 1852, o naturalista inglês Charles B. Mansfield referiu-se ao mestre como um “Lutero negro”, que não sabia onde ele estava, mas tinha ouvido que tinha sido condenado a três anos de prisão ou fora deportado.O Lutero negro deixou um legado para a igreja e a sociedade brasileira. Para o Movimento Negro Evangélico ele deixou uma bela herança histórica: “a primeira Igreja Protestante do Brasil foi negra”.





Citações e Referências:LÉONARG, Émile-G. O protestantismo brasileiro: estudo de eclesiologia e história social. 2ª ed. Rio de Janeiro: JUERP e ASTE, 1981.CARVALHO, Marcus JM. Rumores e rebeliões: estratégias de resistência escrava no Recife, 1817-1848 - 49 - Tempo - Revista do Departamento De Historia da UFF - Nº 6 Vol. 3 - Dez. 1998.--------- Fácil é serem sujeitos, de quem já foram senhores. O ABC do Divino Mestre. Afro-Ásia, número 031 Universidade Federal da Bahia, Brasil pp. 327-334, 2004.


Fonte: http://www.renas.org.br/